menu
Topo
Alto Astral

Alto Astral

Categorias

Histórico

Mudar o nome faz ter mais sucesso na vida? Numerologia responde

Universa

14/01/2019 04h00

(Foto: iStock)

Paola Oliveira, atriz, virou Paolla Oliveira. A cantora Sandra de Sá se apresentou durante bom tempo como Sandra Sá, enquanto o sobrenome da atriz Sheron Menezzes já foi grafado com apenas um "z". Famosas ou não, muitas pessoas recorrem à numerologia para adaptar o nome, buscando atrair mais sucesso para a vida. Há, inclusive, quem adote mudanças com certa frequência. Mas será que funciona mesmo?

Não, se não houver uma transformação interior muito profunda na vida dessa gente, como explica o numerólogo, astrólogo e tarólogo Victor Augusto de Souza (@victorsouzank no Instagram). "O inconsciente da pessoa precisa aceitar aquele novo nome e ela precisa incorporar aquela nova personalidade", diz. Por isso não é eficaz fazer adaptações a todo momento.

Veja também

Segundo Victor, a questão das alterações na nomenclatura é bastante antiga. Muitas culturas tribais seguiam a prática depois de algum tipo de iniciação, o que ainda ocorre no candomblé. "A pessoa tem o 'nome de mundo' dela e, quando é iniciada, recebe o nome dentro daquela casa, dentro daquela vertente espiritual", comenta.

Tal ato sempre tem (ou deveria ter) relação com alguma questão social, ou seja, uma nova realidade ou função que o indivíduo vai vivenciar dali para frente. "É como se fosse criasse um novo personagem, um nome que vai lidar com uma nova função", pontua Victor.

Esse propósito, porém, não é o que costuma motivar a turma que opta pelas modificações. "Hoje, 80% dos que buscam esse tipo de alteração estão pensando na questão financeira, no profissional e no sucesso. Querem ter um nome que dá dinheiro ou um nome que vai ajudar nos negócios", cita Victor.

E é justamente nesse ponto que, se não houver uma profunda mudança interior, não vai adiantar nada. "Não é o nome da pessoa que traz sucesso. Pode, sim, trazer uma certa facilidade, criar um novo hábito, um novo funcionamento e ajudar a lidar com algum aspecto da vida. Mas o sucesso tem muito mais a ver com a forma que alguém lida com a vida", destaca o numerólogo.

Detalhe: mesmo se houver toda essa ressignificação, não é de uma hora para outra que os efeitos serão sentidos. Vai demorar, pelo menos, três ou quatro meses para toda energia se alterar.

Não existe termo ruim

Dentro da numerologia, um nome é transformado em algarismos, seguindo tabelas de conversação – como a pitagórica, por exemplo. Depois, ao ser agregado à data de nascimento, leva ao chamado "número pessoal". A partir daí, há várias cálculos para analisar e interpretar diferentes questões, conforme esclarece o especialista.

As adaptações, geralmente feitas com acréscimo de letras (como o novo "l" de Paolla, o "de" com Sandra de Sá e o "z" extra no sobrenome de Sheron Menezzes), visam chegar a um número favorável para cada pessoa. Isso não significa, é claro, que existam nomes (e, como consequência, números) ruins que obrigatoriamente precisam ser alterados.

"O que pode acontecer é o número de uma pessoa não ser compatível com seus desejos, como é o caso de alguém cujo cálculo leva a um número que fala sobre saúde e a intenção dele é trabalhar com música", exemplifica Victor. Nesse caso, vale, sim, a adaptação.

Mudanças com o casamento

A data de nascimento é a fonte de energia mais pura para todo indivíduo. Quando os pais escolhem a forma como o recém-nascido será conhecido, estão apresentando o filho à sociedade através de uma primeira lente.

Na vida adulta, diante de um casamento, é costume adotar-se o sobrenome do cônjuge – geralmente a mulher "ganha" o apelido do marido, apesar de o inverso também ser admissível. Nesse cenário, caberia uma outra avaliação e adaptação do nova escrita? Até cabe, mas isso não é o mais importante, de acordo com Victor.

"Muito mais que fazer os cálculos com o novo sobrenome e ver se o número final é adequado ou não, é necessário observar como é o 'funcionamento', o 'pensamento' daquela família, porque a pessoa que vai adotar o sobrenome também vai incorporar o consciente coletivo deles, captar a energia dessa família", detalha Victor.

Isso vale tanto para questões boas quanto ruins. "Vamos supor que a família do marido tem muita facilidade com dinheiro. Ao adotar o sobrenome, a mulher vai se conectar com essa habilidade. Já se a família é formada por gente briguenta, ao colocar o sobrenome, começa-se a ter uma facilidade em se conectar com essa energia da briga, pois passa a fazer parte dessa realidade", finaliza.

Claudia Dias, em colaboração para Universa

Sobre o blog

Curiosidades, listas e previsões: tudo sobre os signos do zodíaco.