PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Arquiteta revela que mapa astral é a maior influência de seus projetos

Universa

28/05/2018 04h01

Será que a decoração da sua casa e a disposição dos cômodos combina com o seu mapa astral? Provavelmente você nunca parou para pensar nisso, mas é uma análise que existe e pode fazer toda a diferença na hora de relaxar no sofá ou fazer uma comidinha no final de semana. Patricia Putz, arquiteta e urbanista, teve esse estalo há dois anos. "Para mim, a astrologia é a ferramenta número um de autoconhecimento. Através dela eu consigo fazer uma leitura energética do cliente e saber quais elementos precisam ser equilibrados, depois, entendo como usar cores, formatos e texturas na casa com esse propósito", explica.

Patrícia Putz, arquiteta e urbanista que faz uso de mapa astral em seus projetos (Imagens: Arquivo Pessoal)

Patrícia conta que o gosto pela astrologia veio antes mesmo de entrar na faculdade de arquitetura, através da amiga de colégio Isabella Mezzadri, filha do astrólogo Luís Louceiro — Isabella é, hoje, uma das astrólogas mais influentes do Instagram. "Viramos melhores amigas. Desde os 11 anos a gente gostava muito de astrologia, mas isso foi se aprimorando com o tempo e ao longo da faculdade comecei a fazer o mapa astral de algumas amigas", recorda. O que até então era uma brincadeira, sem valor financeiro, virou estudo sério, mesmo que a paulistana não pensasse em trabalhar diretamente com isso.

Veja também

Ao final da faculdade, a menina que sempre quis construir casas, se viu no fundo do poço. Mesmo com alguns projetos em sua responsabilidade e um escritório, nada parecia alinhado com o seu propósito e a depressão apareceu. "Cheguei num momento em que eu estava sem dinheiro, sem recurso e sem vontade para fazer nada. Então resolvi me perguntar: o que eu gosto de fazer? Mas eu gosto de muitas coisas, não só arquitetura!". Em um processo de cura, Patrícia fez um tratamento emocional e holístico e a tristeza "começou a ir embora, como em um passe de mágica". Foi quando ela resolveu ler mapa astral profissionalmente e cobrar pelo serviço por uma necessidade extrema.

"Eu passava madrugadas devorando mapas e outras leituras astrológicas para me aprimorar ainda mais, mas sentia falta da arquitetura", diz. Pensando em integrar as duas atividades, a arquiteta fez dois cursos: Cura Quântica e Ressignificação Celular. "Tive as aulas em um final de semana e na própria segunda-feira visualizei que iria usar o mapa astral das pessoas para fazer o briefing do projeto de arquitetura. Veio como um estalo."

Na prática
Todo projeto arquitetônico começa com um grande questionário que tem como objetivo entender os gostos da pessoa. O que, na prática, nem sempre funciona. Pensando em fazer o melhor briefing possível para guiar os projetos, Patrícia começou a oferecer uma consultoria astrológica através da análise do mapa astral de todos os clientes, feito muitas vezes pelo Skype. "O primeiro projeto foi para uma amiga que estava se mudando. Fiz a leitura do mapa e apresentei as diretrizes arquitetônicas que tirei disso. Foi um dos melhores projetos que já fiz", revela. A consultoria pode ser tanto para a fase inicial das obras quanto para a decoração, apenas.

A arquiteta analisa todas as casas do mapa astral dos clientes, focando no que é pertinente para a arquitetura, como os elementos; terra, fogo, água e ar. Ela exemplifica: "Se uma pessoa tem Capricórnio na casa 1, ela é mais sólida e reservada. Não adianta fazer uma casa extravagante. Em relação aos elementos, todos nós temos todos… Mas por exemplo, eu tenho 7 planetas em ar e 0 em fogo. Me sinto muito acolhida em ambientes ventilados, claros… Ao mesmo tempo em que não desenvolvo minhas capacidades em fogo. Quando fui morar com meu namorado, pude perceber isso. Ele é o oposto, tem fogo em destaque no mapa e a casa dele é toda de madeira com tons escuros. Não me sentia confortável, mas entendi isso e agora consigo caminhar para um equilíbrio elemental".

O autoconhecimento é o que Patrícia considera mais importante. Tanto para ela, para que possa idealizar um projeto da melhor maneira, quanto para quem quer se manter em equilíbrio na sua própria casa. Essa postura mais holística gera, consequentemente, um afastamento de clientes mais céticos e uma maior procura por parte de pessoas que acreditam e apostam nos astros.

"Não quero mais clientes céticos"

Ela defende que seu trabalho é bastante exclusivo e único, já que unir a arquitetura com o lado holístico ainda está muito no começo. "O mais popular que temos é o Feng Shui, mas a minha intenção é fazer um estudo mais integrado."

A astrologia também foi uma porta de entrada para que Patrícia conhecesse seus propósitos e é por isso que a arquiteta se declara apaixonada pelo estudo. "A partir do momento que a gente tem acesso ao nosso mapa astral, entramos em um nível de entendimento sobre quem somos. Quando isso é revisitado, é como se várias peças de um mesmo quebra-cabeça se reencontrassem. Esse é o passo número um, se conhecer. Nessa vida, estamos aqui para fazer várias coisas, mas sem saber quem somos, fica difícil de traçar a direção. A astrologia enquanto estudo pode trazer inúmeros benefícios", finaliza.

Por Camila Eiroa, em colaboração para Universa

Sobre o blog

Curiosidades, listas e previsões: tudo sobre os signos do zodíaco.

Alto Astral